28 de dezembro de 2015

Os Limites

         O Universo pode ser finito, mas o espaço "vazio" não faz sentido ter limites em termos de extenção. Imaginando que estamos de alguma forma a viajar pelo espaço e de repente nos deparamos com uma parede, aparentemente plana devido à sua vasta imensidão, mas na realidade esférica que fecha o universo numa prisão capsular.
         E agora? Tenta-mos atravessar a barreira? E o que poderá acontecer a seguir? Existem varias teorias relacionadas, das quais a menos incontestável seria, passar-mos diretamente para o outro lado da extremidade do universo, ou seja, tendo em conta que o plano "ϰ" da esfera limiar do espaço tem um diâmetro [AB], os pontos seriam as suas extremidades, poderia-mos então atravessar de B para A e vice-versa, talvez à velocidade da luz como diz Stephen Hawking ou instantaneamente que é impossível perante as atuais consideradas e mais utilizadas leis da Física. Não largando a hipótese de ser possível tocar num extremo e não haver nada para além disso, nem mesmo espaço vazio, como se trata-se de uma bolha, o limite da folha espacial. Esta última hipótese faz ainda menos sentido e pode ser deixada para a ficção cientifica, dada a possíbilidade ser tão baixa e muitos poucos cientistas a defenderem.

         Sobra-nos então possibilidade dum espaço infinito tornando as soluções dos problemas da física, bem mais simples. O Big Bang pode não ter ocorrido num ponto singular mas sim em todo o espaço. Nós não sabemos o que há para além do espaço observável, apenas calculamos probabilidades dum espaço matemático que se encontra para lá do conhecimento, desse modo resta-nos saber se o espaço traça uma ligeira curvatura acabando em bordas finitas ou se é infinitamente linear.


"A diferença entre o Finito e o Infinito é Infinita..."
Hubert Dungen




10 de dezembro de 2015

A Não Existência

       Se tentar-mos pensar em nada, acaba-mos presos em pensamentos brancos, mas há-de sempre surgir seja uma palavra, uma imagem, uma mancha, um problema que seja e isso deixa-nos frustrados e com a seguinte frase na cabeça "como seria se eu consegui-se por momentos não pensar, ter um vazio e uma limpeza profunda na minha consciência...".

         Sendo então impossível este pensamento, devido ao constante raciocínio que o cérebro tem relacionadas às necessárias reações químicas presentes para o seu funcionamento.

         Não nos faz qualquer sentido imaginar a hipótese de nunca ter acontecido o Big Bang, de nunca ter havido um início do tempo e do espaço, o verdadeiro preenchimento do "nada" num "tudo", a ausência de consciência no espaço e do sentido de tudo. É praticamente inimaginável pelo simples facto de que vai para além da capacidade do ser humano que pertence à própria existência, e não há qualquer contacto com a falta desta.

 "O "Nada" é infinitamente mais simples que o "Tudo", e é a complexidade
do nosso universo que o torna tão valioso e tão importante."
Experimente pensar em nada e se o universo por si só não existisse, depois comente.
Hubert Dungen